O fim do túnel

Já faz algum tempo que não amo ninguém e que os sentimentos que alimento são apenas os impossíveis. Desejar o outro por uma tela me dá prazer e me faz transbordar de ansiedade. A fantasia ideal. A migalha, a fagulha de esperança que o desejo e o capitalismo alimentam, eu as mantenho perto e vivas pois nesse dia-a-dia sem real propósito preciso de um conforto emocional, e quanto mais a ausência de sentido se aprofunda, mais caem as exigências.

Não amo ninguém por medo. Medo de amar a mim mesma e com isso descobrir que existe alguém com falhas e fissuras nessa armadura antes tão bem posta. Medo de desejar e conseguir. De chegar à estação final. Pra mim a linha de chegada passa a ser insuportável. Como eu posso desejar com tanta força e ao mesmo tempo ter terror do meu desejo? Deveríamos ter medo dos pesadelos, não dos sonhos.

metro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s